Curiosidades sobre Tutankamon e o crânio alongado

Em maio de 2005, egípcios, franceses e americanos reconstituíram sua face a partir de imagens de tomografia computadorizada. O rei Tut – como foi apelidado – era dentuço, tinha a parte posterior do crânio estranhamente alongada e o queixo retraído.

A importância atribuída para este faraó está relacionada ao fato de sua tumba, situada numa pirâmide no Vale dos Reis, ter sido encontrada intacta. Nela, o arqueólogo inglês Howard Carter encontrou, em 1922, uma grande quantidade de tesouros. O corpo mumificado de Tutankamon também estava na tumba, dentro de um sarcófago, coberto com uma máscara mortuária de ouro. O caixão onde estava à múmia do faraó também é de ouro maciço.

Na tumba de Tutankamon foram encontradas mais de cinco mil peças. Entre os objetos estavam jóias, objetos pessoais, ornamentos, vasos, esculturas, armas, e o Anel Atlante.

Porém há um fato interessante que pode ligar Tutancamon aos crânios alongados da cultura pré-inca de Paracas, no Peru. Amostras de DNA foram coletadas dos ossos e o resultado mostrou que possuíam características não humanas destes povos. As pesquisas ainda estão no começo, mas o que já se descobriu é, para dizermos o mínimo, assombroso. Há divergências ainda sobre a origem dos crânios alongados, mas que pode haver alguma ligação é um fato real.

De acordo com um grupo de especialistas que lidam com o fenômeno dos crânios de Paracas, os recentes resultados de DNA revelaram que estes crânios alongados não são nativos da região.

O mistério dos crânios alongados não se resumem ao Egito e Peru, uma equipe internacional de cientistas descobriu a origem dos misteriosos crânios alongados encontrados na Baviera, na Alemanha e em alguns povos da Africa, por exemplo o Povo Mangbetu.

O Povo Mangbetu vive em uma floresta da Savana, localizada na província Oriental, região nordeste da República Democrática do Congo. Esse povo vive da agricultura, juntamente com criação de pequenos animais, caça, pesca e coleta. As culturas de rendimento têm incluído o óleo de palma, café, amendoim, arroz, banana e milho. Esse povo é conhecido pela peculiaridade do alongamento do crânio, técnica denominada de “lipombo”. Ou seja, o lipombo é uma técnica para alongamento dos crânios, mas a pergunta que não quer calar é porque fariam isso se não fosse para se assemelhar aos deuses do passado?

Voltando ao Rei Tut, desde que a múmia foi descoberta, dezenas de diagnósticos para a morte têm sido propostos, variando de doenças infecciosas, doenças metabólicas, tumores, traumas e até mesmo assassinato. Em 1963, se descobriu um ferimento na base do crânio da múmia, que pode ter sido causado por um golpe, seja por acidente ou por assassinato, enfim, ainda há muito mistério sobre o faraó, porém centenas de relatos relacionados ás pirâmides e uso do Anel Atlante são fatos comprovados, se sua origem é alienígena ou de uma civilização muito superior, ainda não sabemos, qual é sua teoria? Conte para nós.

 

Conheça a copia fiel artesanalmente confeccionado do Anel Atlante

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *